Dissertação de Mestrado:
Recursos Hídricos e Divulgação Científica: Análise de Cobertura Midiática da Crise Hídrica no Sudeste (2014-2015)

Rafael Vargas Marques

PEAMB
Orientador
Profa. Rosa Maria Formiga Johnsson , D.Sc. 1998-Univ. de Paris XII/ França - Currículo LattesInformação Academica
Coorientador
Prof. Dr. Marcelo Borges Rocha
Banca
* Profa. Rosa Maria Formiga Johnsson , D.Sc. 1998-Univ. de Paris XII/ França - Currículo LattesInformação Academica
* Prof. Alfredo Akira Ohnuma Júnior , Prof. Dr. - Currículo LattesInformação Academica
* Prof. Dr. Marcelo Borges Rocha (Coorientador) - CEFET/RJ
* Prof. Dr. Pedro Henrique Ribeiro de Souza - Colégio Pedro II
Data - hora da defesa
04/10/2017
Resumo
Uma crise hídrica de consideráveis impactos socioambientais ocorreu na região Sudeste do Brasil, no biênio 2014-2015. Trata-se da região mais populosa do país (Sudeste) com referência a água – um recurso natural limitado insubstituível, de relevância acentuada pela necessidade de água potável estar diretamente relacionado à subsistência humana. Neste contexto, os meios de comunicação exercem um papel fundamental ao informar o cidadão acerca de situações relevantes para a sociedade. Dessa maneira, a Divulgação Científica também funciona como intermediária entre o que acontece no ambiente e a população. Assim, o presente trabalho analisou de que maneira o tema crise hídrica no Sudeste foi veiculado pelas revistas Scientific American Brasil e Veja. O período de análise foi de 2013 a 2016. Para poder identificar, classificar, categorizar e analisar o que foi veiculado, utilizou-se a Análise de Conteúdo e Análise de Imagens. Esses instrumentos fundamentaram metodologicamente a análise, que foi realizada tanto pelo aspecto quantitativo como qualitativo. Os resultados mostram uma grande diferença na forma como essas duas revistas apresentaram a crise hídrica do Sudeste. Por um lado, a Scientific American Brasil adensou temporalmente seus registros, priorizou um tipo de seção, contou com conteúdos maiores, com muitas imagens pouco exploradas, uma linguagem mais hermética e textos mais elaborados; por outro, a Veja se manteve acompanhando os episódios da crise, eventualmente apresentando conteúdos mais desenvolvidos. Esta pesquisa espera ter cumprido seu objetivo, também possibilitando investigações mais específicas e aprofundadas sobre o assunto. Palavras-chave: Recursos Hídricos; Divulgação Científica; Crise Hídrica; Sudeste do Brasil; 2014-2015; Revista Scientific American Brasil; Revista Veja; Análise Quantitativa; Análise Qualitativa; Análise de Conteúdo; Análise de Imagens.

Download do Trabalho