Dissertação de Mestrado:
Avaliação das Concentrações dos Hidrocarbonetos Policíclicos Aromáticos no Material Particulado Menor Que 2,5 m e Deposição Úmida do Instituto de Aplicação - UERJ

Linha de Pesquisa:
Saneamento Ambiental

Maycon Maia Ribeiro

PEAMB
Orientador
Prof. Eduardo Monteiro Martins Currículo LattesInformação Academica
Coorientador
Prof. Alfredo Akira Ohnuma Júnior , Prof. Dr. - Currículo LattesInformação Academica
Banca
* Prof. Eduardo Monteiro Martins Currículo LattesInformação Academica
* Prof. Alfredo Akira Ohnuma Júnior , Prof. Dr. - Currículo LattesInformação Academica
* Prof. Júlio Domingos Nunes Fortes , D.Sc. 2003 - ENSP/FIOCRUZ - Currículo LattesInformação Academica
* Profa.Dra.Simone Lorena Quitério de Souza - IFRJ
* Profa.Dra.Josiane Loyola da Silva Secretaria Municipal de Meio Ambiente - Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro
Data - hora da defesa
14/04/2016
Resumo
O material particulado menor que 2,5 micrometros (MP2,5) tem como principal origem os processos de combustão antropogênicos e podem causar diversos problemas à saúde da população, principalmente se associados a ele estiverem presentes substâncias mais perigosas, como os hidrocarbonetos policíclicos aromáticos (HPAs). Por meio da deposição úmida, os poluentes presentes no MP2,5 são transferidos para a água da chuva. Esta pesquisa objetivou avaliar a concentração de HPA presente no MP2,5 e na água de chuva coletados no Instituto de Aplicação da UERJ (CAp – UERJ). Para este fim, a amostragem de MP2,5 foi realizada com um Amostrador de Grande Volume e a de água de chuva através de um sistema de captação e armazenamento e utilizou-se de técnicas de estatística descritiva e de três técnicas multivariadas: coeficiente de correlação, análise de cluster (agrupamento) e análise dos componentes principais (ACP). Para a formação dos agrupamentos na análise de conglomerados foi utilizado o método “Ward”. Foram analisados pelo método de Cromatografia Gasosa de alta resolução acoplada com Espectrômetro de Massas os 16 HPAs considerados prioritários pela EPA: Naftaleno (NAF), Acenaftileno (ACY), Acenafteno (ACE), Fluoreno (FLU), Fenantreno (PHE), Antraceno (ANT), Pireno (PYR), Fluoranteno (FLT), Benzo(a)antraceno (BaA), Criseno (CRY), Benzo(b)fluoranteno (BbF), Benzo(k)fluoranteno (BkF), Benzo(a)pireno (BaP), Dibenzo(a,h)antraceno (DBA), Benzo(g,h,i)pirileno (BgP) e Indeno(1,2,3-c,d)pireno (IND). A concentração de MP2,5 por dia de coleta esteve entre os valores 6,46 e 46,16 µg m-3, com uma média de 19,6 µg m-3. Esta média não ultrapassa os valores permitidos por legislações internacionais, tais como a EPA e a OMS, mas consideradas separadamente, houve 11 amostras que violaram o valor limite da legislação da OMS e 4 o da EPA. No MP2,5 os HPAs: NAF, FLU, PHE, ANT, PYR, FLT, BaA, CRY, BbF, BkF e BaP puderam ser quantificados, enquanto que na água da chuva, apenas o NAF, HPA de menor massa molecular, e, consequentemente, de maior solubilidade em água. Os HPAs de grande massa molecular, entre 4 e 5 anéis aromáticos (PYR, FLT, BaA, CRY e BbF) obtiveram as maiores concentrações. O resultado pode ser dividido em dois grandes grupos. O primeiro é formado por quatro HPAs: ACE, BkF, ANT e FLU. Por conter três HPA mais leves, este grupo provavelmente está vinculado às emissões originadas de veículos pesados, ou seja, movidos à diesel. O segundo grupo é formado por: NAF, BbF, BaA, PYR, FLT, PHE, CRY e BaP. Este possivelmente está relacionado às emissões de veículos leves, por conta de seus 4 e 5 anéis aromáticos. O coeficiente de correlação e a ACP apresentaram resultados similares. Palavras-chave: Poluição Atmosférica; Material Particulado; Hidrocarbonetos Policíclicos Aromáticos; Estatística Multivariada.

Download do Trabalho