NOTÍCIAS

Ver Notícias

Feed RSS

Assinar Notícias

Modificar/cancelar assinatura

Assuntos das Notícias

Assuntos Gerais

Comunicados Administrativos

Concursos Públicos

Coordenação Acadêmica

Cursos (Pós e Extensão)

Defesas FEN

Editais de Fomento à Pesquisa

Entrevistas

Estágios, Empregos e Bolsas

Opinião

Palestras, Seminários...

Todas as Notícias

Publicações UERJ

Informe UERJ

Revistas Online da UERJ

UERJ em Dia

UERJ em Questão

Links

Links Didáticos

Projeto Desenvolve Cerâmicas Especiais Para Dispositivo de Raios X

Criada em 19/10/2012 11:46 por maperna | Marcadores: entrev fen fotos lacam MECAN ppgem

Os engenheiros Marília Diniz e José Brant, no LaCaM/Uerj: realização de testes para avaliar a qualidade da cerâmica

Os engenheiros Marília Diniz e José Brant, no LaCaM/Uerj: realização de testes para avaliar a qualidade da cerâmica

Reportagem da FAPERJ sobre pesquisa do Laboratório de Caracterização de Materiais (LaCaM), da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj)

http://www.faperj.br/boletim_interna.phtml?obj_id=8562

 

Débora Motta

 

Uma cerâmica especial ganhou uma aplicação médica interessante. Ela será utilizada como peça de um inovador detector a gás de raios X, que dispensa a necessidade de impressão do exame com filmes fotográficos e permite a visualização digital das imagens médicas direto na tela do computador. A pesquisa multidisciplinar, contemplada pela FAPERJ no edital de Apoio às Engenharias, reúne, no Rio, pesquisadores do Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas (CBPF), detentor da tecnologia do equipamento a gás de raios X, e do Laboratório de Caracterização de Materiais (LaCaM), da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj) – onde são realizados testes das propriedades químicas e físicas da cerâmica.

 

A cerâmica apresenta características especiais, como alta resistência, dureza e transparência aos raios X, devido à presença de carbeto de boro na sua composição química. Por essas características, o material está sendo testado para a fabricação das janelas localizadas na parte frontal dos detectores a gás de raios X. Trocando em miúdos, o detector seria o aparato em que o paciente se encosta para captar as imagens durante o exame. “Em particular, o carbeto de boro apresenta propriedades óticas adequadas, como material transparente aos raios X”, explica o engenheiro metalúrgico e de materiais José Brant, um dos coordenadores do LaCaM-Uerj, junto com a engenheira Marília Garcia Diniz.

 

Brant compara o detector produzido pelo CBPF com uma caixa fechada com gás dentro. O gás converte os raios X em elétrons que, por sua vez, formam a imagem médica. “Quanto maior a pressão do gás no detector, maior a eficiência de detecção dos raios X. Pelo fato de usar uma cerâmica avançada de elevada dureza, podemos aumentar a pressurização do gás no interior do dispositivo e aumentar a eficiência do detector bidimensional”, resume. O sinal eletrônico do detector forma a imagem médica digital. "É como se estivéssemos substituindo uma câmera fotográfica com filme por uma digital", compara. 

“A tecnologia atual usada nos detectores de raios X a gás disponíveis na indústria costuma empregar janelas de berílio, que é um material mais frágil do que o carbeto de boro, e costuma apresentar trincas quando submetido a altas pressões”, diz Brant. “Se há uma maior pressurização do gás, aumenta a eficiência da absorção dos raios X e, consequentemente, da geração de elétrons. Por isso a janela é essencial, para não romper com a pressurização”, justifica. 

 

No LaCaM-Uerj, Brant coordena a análise de diversas características físicas e químicas da cerâmica. “Avaliamos a qualidade da fabricação do carbeto de boro, que é produzido pelo Laboratório de Cerâmicas da Coppe/UFRJ”, conta. “Uma das características que avaliamos é a porosidade do material. A ideia é que a cerâmica produzida só tenha, na pior das hipóteses, 1% de poros, para melhor consolidação do material”, diz.

De acordo com Brant, o objetivo do projeto é aperfeiçoar a tecnologia desenvolvida no CBPF, sob a coordenação do físico Herman Pessoa Lima Júnior. “Por enquanto, o protótipo do detector de raios X criado na instituição ainda está em fase de testes para um futuro uso comercial. Essa tecnologia já existe fora do Brasil, mas no mercado nacional é uma verdadeira inovação”, diz o engenheiro metalúrgico e de materiais. E conclui: “O uso das janelas de cerâmicas trará melhorias tecnológicas do dispositivo que já existia no CBPF, para torná-lo mais inovador em escala internacional.”

 

O projeto conta ainda com a colaboração internacional do físico Manoel Lozano, do Centro Nacional de Microeletrônica (CNM), em Barcelona, na Espanha. Lozano coordena o desenvolvimento de um outro dispositivo, gas electron multiplier, com a meta de melhorar a sensibilidade do detector de raios X.

Professor(es) ou profissionais da FEN-UERJ relacionado(s) com esta notícia


José Brant de Campos, Marília Garcia Diniz,

Depto(s) ou Orgãos da FEN-UERJ relacionado(s) com esta notícia


ppgem - Pós-graduação em Engenharia Mecânica
mecan - Depto. de Eng. Mecânica
lacam - Laboratório de Caraterização de Materiais

Galeria de imagens

Anexos


Avise Um Amigo
Avise um Amigo


Na sua opinião, qual a relevância desta notícia? (1=Pouco relevante, 5=Muito relevante)

1  2  3  4  5  
Relevância atual: 4.9 (37 votos | ver detalhes)


Comente esta notícia

(Para perguntas, verifique acima a forma de contato na notícia)
Seu nome
Seu E-mail (não será divulgado)
Seu comentário
Código de verificação (Repita a sequência abaixo)

Regras para comentários:
  • Comentários anônimos serão excluídos;
  • A postagem de comentários com links externos será excluída;
  • Não publicamos denúncias. Nestes casos, você deve encaminhar aos órgãos cabíveis ou indicados na notícia;
  • Comentários que fujam ao teor da matéria serão excluídos;
  • Ofensas e quaisquer outras formas de difamação não serão publicadas;
  • Os autores da notícia não monitoram os comentários, portanto não há garantias que serão lidos e/ou respondidos. Procure a forma de contato na própria notícia

Todos os campos são obrigatórios

 

Em 31/03/13 18:11 Fabrícia P. M. disse:

Como trabalho e entendo de raio-x sei a importância da inovação de todos os componentes pois os mesmos ainda são muito obsoletos se comparamos com a evolução que a tecnologia já sofreu. Espero ainda mais, que em um futuro próximo possamos não expor pacientes a radiação para visualização de exames.

Em 19/10/12 12:03 weber disse:

Parabéns Marília e Brant. Também estão muito bonitos na foto.